Como chegar
|
Contactos

Modelos de Intervenção Psicológica 2 2017/2018

  • 6 ECTS
  • Lecionada em Português
  • Avaliação Mista

Objetivos

A UC pretende introduzir os alunos às características e conceitos fundamentais das correntes cognitivo-comportamental, construtivista, sistémica e psicodrama.

No final do ano letivo o discente deverá:

1) Compreender a evolução histórica, as características, conceitos fundamentais e pressupostos teóricos relacionados com um destes modelos: origem e evolução histórica, constructos teóricos, conceção de funcionamento psicológico, perturbação e processo de mudança psicológica;

2) Conhecer as diferentes qualidades e competências terapêuticas implicadas numa entrevista psicológica segundo cada um destes modelos, bem como os diferentes procedimentos de intervenção psicológica a estes associadas;

3) Refletir criticamente sobre os diferentes modelos de intervenção;

4) Conhecer investigação atual sobre a eficácia de intervenções.

Pré-Requisitos Recomendados

É importante para esta unidade curricular que o aluno detenha conhecimentos básicos ao nível da História da Psicologia, nomeadamente, da teoria behaviorista, cognitivista e construtivista, bem como conhecimentos de psicopatologia geral, leccionados nas UCs de Psicologia da Personalidade e Psicopatologia I e II. É importante ainda que o aluno já detenha conhecimentos básicos ao nível da entrevista psicológica, versados na UC de Modelos de Intervenção Psicológica I.

Método de Ensino

As aulas expositivas teórico-práticas conciliarão metodologias expositiva - suportada em diapositivos e na discussão e comentário da bibliografia recomendada e complementar, bem assim como de artigos científicos, - e ativa - pressupondo a realização de exercícios práticos em grupo, incluindo role-plays, demonstrações e simulações, visionamento e análise de filmes e de extratos de consultas, e de um trabalho escrito de grupo.

A metodologia de avaliação é mista, composta por um trabalho de grupo (40%) e um exame final (60%).

Conteúdos Programáticos

1. Modelos Cognitivo-Comportamentais de 1.ª Geração
1.1. Enquadramento histórico
1.2. Os modelos comportamentais: condicionamento clássico e condicionamento operante, e aprendizagem social

2. Modelos Cognitivo-Comportamentais de 2.ª e 3.ª Geração
2.1. Enquadramento histórico
2.2. Introdução à formulação de caso e ao processo terapêutico segundo a/o:
2.2.1. Terapia Racional Emotiva (Ellis)
2.2.2. Terapia Cognitiva (Beck)
2.2.3. Treino de Auto-instrução (Meichenbaum)
2.2.4. Terapia focada nos esquemas (Young)

3. Introdução aos modelos construtivistas
3.1. Pressupostos básicos e processo terapêutico

4. Introdução aos Modelos Sistémicos
4.1. Enquadramento histórico e epistemológico:
4.1.1. Teoria Geral dos Sistemas
4.1.2. Cibernética
4.1.3. Teoria da Comunicação Humana
4.2. A intervenção em terapia familiar:
4.2.1. Ciclo vital da família
4.2.2. Hip. sistémica, circularidade e processo terapêutico.
4.2.3. Principais escolas e abordagens terapêuticas.

5.

Bibliografia e Webgrafia Recomendada

Abreu, P. (2006). O Modelo do Psicodrama Moreniano. Climepsi Editores.

Beck, J. (2011). Cognitive Behavior Therapy: basics and behond (2ª Ed.). New York: The Guilford Press.

Gonçalves, O. (1994). Terapias cognitivas: Teorias e Práticas. Porto: Edições Afrontamento.

Guidano, V. (1991). The self in process: toward a post racionalist cognitive therapy. New York: The Guidford Press.

Joyce-Moniz, L. (2005). A modificação do comportamento: Teoria e prática da psicoterapia e psicopedagogia comportamentais. Lisboa: Livros Horizonte.

O’Donohue, W., & Fisher, J. (Eds.) (2012). Cognitive Behavior Therapy: Core principles for practice

Sampaio, D. & Gameiro, J. (2005). Terapia Familiar. Porto: Edições Afrontamento.

Young, J. Klosko, J. & Weishaar, M. (2003). Schematherapy: a practitioner’s guide. New York: The Guilford Press.

Bibliografia Complementar

Abreu, C.N. & Roso, M. [et al.] (2003). Psicoterapias cognitiva e construtivista: novas fronteiras da prática clínica. Porto Alegre: Artmed.

Andolfi, M. (1981). A terapia familiar. Lisboa: Veja

Carr, A. (2006). Family therapy: concepts, process and practice (2.ª Ed.). New York: John Wiley and Sons, Ltd.
Dobson, K.S. (1986). Handbook of cognitive-behavior therapies. New York: The Guilford Press.

Gonçalves, O. (2001). Introdução Às psicoterapias comportamentais. Coimbra: Quarteto.

Gonçalves, O. (1990). Terapia comportamental: Modelos Teóricos e Manuais Terapêuticos. Braga: Edições Jornal de Psicologia.

Hoffman, L. (1987). Fundamentos de la terapia familiar: un marco conceptual para el cambio de sistemas. Ciudad de Mexico: Fondo de cultura económica.

Planificação Semanal

1 – Apresentação da UC: objetivos, método de ensino-aprendizagem, programa, método de avaliação e bibliografia recomendada. Modelos Cognitivo-Comportamentais de 1.ª Geração: enquadramento histórico e evolução.

2 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 1.ª Geração: Paradigma do condicionamento clássico. Visionamento e comentário de vídeos das experiências de Pavlov e de Mary Cover Jones.

3 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 1.ª Geração: Paradigma do condicionamento operante. Visionamento e comentário de vídeos das experiências de Skinner e Thorndike. Planeamento de uma economia de fichas e construção de um contrato de contingências.

4 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 1.ª Geração: O paradigma da aprendizagem social. Visionamento e comentário de vídeos das experiências de Bandura.

5 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 2.ª Geração: Enquadramento histórico e evolução. Paradigma do auto-controlo e paradigma das aptidões de confronto.

6 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 2.ª Geração: Introdução à formulação de caso e ao processo terapêutico segundo a Terapia Racional Emotiva e Comportamental de Ellis. Visionamento de um vídeo protagonizado pelo terapeuta Albert Ellis, com a paciente Glória e análise da respetiva transcrição da consulta.

7 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 2.ª Geração: Introdução à formulação de caso e ao processo terapêutico segundo a Terapia Cognitiva de Aaron Beck.

8 – Modelos Cognitivo-Comportamentais de 2.ª e 3.ª Geração: Introdução à formulação de caso e ao processo terapêutico segundo o Treino de auto-instrução de Meichenbaum e a Terapia Focada nos Esquemas de Young.

9 – Apresentação de trabalhos de grupo pelos alunos, com simulação da competência e exercícios práticos.

10 – Introdução aos Modelos Construtivistas: enquadramento histórico e evolução. As Perspetivas Narrativas.

11 - Introdução aos Modelo sistémico: enquadramento histórico e epistemológico – Teoria Geral dos Sistemas, Cibernética e Teoria da Comunicação Humana.

12 - Ciclo vital da família. Hipótese sistémica, circularidade e processo terapêutico.

13 - Principais escolas e abordagens terapêuticas em terapia familiar sistémica.

14 - Principais escolas e abordagens terapêuticas em terapia familiar sistémica (cont.).

15 – Apresentação de trabalhos de grupo pelos alunos, com simulação da competência e exercícios práticos. Entrega de trabalhos. Introdução ao Psicodrama Moreniano.

Coerência do programa para com os objetivos

Os objetivos específicos são uma operacionalização pragmática do objetivo geral relativo à introdução às características e conceitos fundamentais das correntes cognitivo-comportamental, construtivista e sistémica. Os conteúdos programáticos seguem de perto os objetivos de aprendizagem, tratando-se de uma sua operacionalização. Os conteúdos dos pontos 1 a 5 prendem-se com os primeiros três objetivos apresentados para esta unidade curricular. Ao longo destes mesmos pontos do conteúdo programático será feita referência a estudos científicos relativos à eficácia das intervenções terapêuticas segundo cada um destes modelos. Procurar-se-á, desta forma, favorecer o espírito crítico, baseado em evidências, da intervenção psicológica e da própria investigação inerente a esta (objetivos específicos 3 e 4).

Coerência dos métodos de ensino para com os objetivos

No sentido de articular a componente teórica com a componente prática desta unidade curricular, serão usadas metodologias de ensino expositivas, demonstrativas, activas e participativas. Para que aluno adquira conhecimentos básicos sobre intervenção psicológica e sobre os modelos de intervenção comportamentalistas, cognitivistas, construtivstas, sistémicos e psicodrama serão usadas aulas expositivas seguidas de aulas de reflexão e análise de consultas transcritas ou videogravadas. Para favorecer o espírito crítico do aluno face às intervenções os alunos serão convidados a analisar criticamente artigos científicos sobre a investigação em psicoterapia. Serão ainda senbilizados para as diferenças ao nível da intervenção através das sessões transcritas e dos vídeos apresentados.

competência genérica relevantedesenvolvida?avaliada?
Análise e sínteseSimSim
Aptidão para aplicação na prática dos conhecimentos teóricosSimSim
Capacidade crítica e de avaliaçãoSimSim
Capacidade de auto-critica e de auto-avaliaçãoSimSim
Competência em língua estrangeira  
Comportamento ético e responsável  
Comunicação oral e escrita Sim
Preocupação com a eficácia Sim
Preocupação com a qualidade Sim
Relacionamento interpessoalSim 
Trabalho em equipaSim 
Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.