Como chegar
|
Contactos

Epistemologia da Psicologia 2017/2018

  • 6 ECTS
  • Lecionada em Português
  • Avaliação Contínua

Objetivos

- Adquirir conhecimentos teóricos e históricos em Epistemologia geral e em Epistemologia específica das Ciências Sociais e da Psicologia, para caracterizar e diferenciar rigorosamente o paradigma da Ciência Experimental Moderna, incluindo a sua evolução histórica conducente ao Positivismo, à crise e à alternativa anti-positivista, "Pós-Moderna", de Ciência;
- Reconhecer e refletir criticamente sobre as relações complexas e problemáticas entre “saber”, “poder” e “agir” em Psicologia enquanto Ciência e Profissão, ou seja, saber relacionar epistemologia, política e ética da Psicologia, nomeadamente à luz da crítica dos discursos e das práticas da Psicologia, segundo a Teoria Crítica, o Pós-Estruturalismo e a Sociologia da Ciência;
- Analisar e avaliar o impacto do pluralismo onto-epistemo-metodológico na Psicologia, cujo espectro se situa entre os pólos “explicar” e “compreender”, no âmbito da oposição entre Ciências Naturais e Ciências Sociais (ou Ciências da Cultura e Humanidades).

Pré-Requisitos Recomendados

É recomendável que os estudantes tenham conhecimentos de História da Psicologia e de Metodologia da investigação, dominando as noções relativas ao pluralismo do(s) objeto(s) e método(s) existentes em Psicologia. Tal background revelar-se-á útil no contacto com o conceito de "paradigma" e na reflexão, problematização e avaliação crítica dos processos de produção de discursos e práticas psicológicas.

Método de Ensino

Método expositivo (com discussão/reflexão) e ativo com realização de tarefas contínuas, individuais e grupais, de leitura, escrita e discussão oral de textos temáticos e problematizadores fundamentais, resultando em relatórios regulares e culminando num projeto de pesquisa aprofundada sobre uma questão epistemológica específica. A avaliação será realizada através da ponderação de um mini-teste, exercícios escritos (permitindo ao aluno um estudo mais continuado da matéria a dominar) e um trabalho de investigação teórica com componente escrita e oral.

Conteúdos Programáticos

1.Introdução à Gnoseologia e Epistemologia: questões fundamentais
2.A Psicologia enquanto Ciência Moderna Experimental
2.1.O racionalismo cartesiano e o empirismo britânico
2.2.A Física newtoniana, a Psicofísica e a Razão Pura de Kant
2.3.O(s) Positivismo(s): A filosofia positivista de Comte e o Círculo de Viena
2.4.Popper, Wittgenstein e a crítica do positivismo lógico
2.5.Bachelard: o “espírito científico”
3.A Psicologia na era da “Ciência Pós-Moderna”
3.1.Kuhn: os paradigmas e a história revolucionária da ciência
3.2.Feyerabend: crítica da Razão e do Método
3.3.Lakatos: “programas de investigação”
3.4.Teoria crítica da ciência e da psicologia: a herança de Frankfurt
3.5.Pós-estruturalismo: Derrida e Foucault
3.6.Sociologia da Ciência: entre Manheim, Merton e Latour
4.A Psicologia e o pluralismo onto-epistemo-metodológico
4.1.Psicologia nomotética/explicativa e idiográfica/hermenêutica
4.2.Psicologia: naturalismo, historicismo e ética/política da responsabilidade

Bibliografia e Webgrafia Recomendada

Bachelard, G. (2006). A epistemologia. Lisboa: Ed. 70.
Foucault, M. (1991). As palavras e as coisas. Lisboa: Edições 70.
Foucault, M. (1997). A ordem do discurso. Lisboa: Relógio d’Água.
Foucault, M. (2005). A arqueologia do saber. R.Janeiro: Forense.
Foucault, M. (2007). Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.
Habermas, J. (1990). O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: D. Quixote.
Kant, E. (1989). Crítica da razão pura. Lisboa: Gulbenkian.
Kuhn, T. (2007). A estrutura das revoluções científicas. SP: Perspetiva.
Santos, B. S. (1993). Introdução a uma ciência pós-moderna. Porto: Afrontamento.
Santos, B. S. (2001). Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento.
Santos, B. S. (2003). Conhecimento prudente para uma vida decente. Porto: Afrontamento.
Sève, L. (1994). Para uma crítica da razão bioética. Lisboa: Piaget.
Silva, P. (1998). A filosofia da ciência de P. Feyerabend. Lisboa: Piaget.

Bibliografia Complementar

Bachelard, G. (2008). O novo espírito científico. Lisboa: Ed. 70.
Cavaillé, J.-P. (1991). Descartes: a fábula do mundo. Lisboa: Inst. Piaget.
Chalier, C. (1996). Lévinas: a utopia do humano. Lisboa: Piaget.
Chandebois, R. (1996). Para acabar com o Darwinismo: uma nova lógica da vida. Lisboa: Piaget.
Comte, A. (1980). Catecismo positivista. Mem Martins: Publ. Europa-América.
Comte, A. (1990). Discurso sobre o espírito positivo. S. Paulo: Martins Fontes.
Foucault, M. (1994). História da sexualidade (2 vols.). Lisboa: Relógio d’Água.
Owen, D. (1994). Maturity and modernity: Nietzsche, Weber, Foucault, and the ambivalence of reason. London: Routledge.
Wittgenstein, L. (1991). Aulas e conversas sobre estética, psicologia e fé religiosa. Lisboa: Cotovia.
Benjamin, L. T. (Ed.) (2009). A history of psychology: original sources and contemporary research. Oxford: Blackwell.
Goodwin, C. J. (2010). História da Psicologia. SP: Cultrix.

Planificação Semanal

1a.semana:
Introdução à Gnoseologia e Epistemologia: questões fundamentais
A Psicologia enquanto Ciência Moderna Experimental

2a. semana:
O racionalismo cartesiano e o empirismo britânico
A Física newtoniana, a Psicofísica e a Razão Pura de Kant

3a. semana:
O(s) Positivismo(s): A filosofia positivista de Comte e o Círculo de Viena

4a. semana:
Popper, Wittgenstein e a crítica do positivismo lógico

5a. semana:
Bachelard: o “espírito científico”

6a. semana:
A Psicologia na era da “Ciência Pós-Moderna”
Kuhn: os paradigmas e a história revolucionária da ciência

7a. semana:
Feyerabend: crítica da Razão e do Método
Lakatos: “programas de investigação”

8a. semana:
Teoria crítica da ciência e da psicologia: a herança de Frankfurt

9a. semana:
Pós-estruturalismo: Derrida e Foucault

10a. semana:
Sociologia da Ciência: entre Manheim, Merton e Latour

11a. semana:
A Psicologia e o dualismo onto-epistemológico e metodológico (Dilthey)

12a semana:
Psicologia nomotética/universal e idiográfica/hermenêutica

13a semana:
Psicologia: eco-feminismo e ética/política da responsabilidade

14a e 15a semana:
Apresentação e discussão de trabalhos de pesquisa realizados pelos estudantes.

Coerência do programa para com os objetivos

O primeiro objetivo elencado visa a aquisição de conhecimentos teóricos e históricos em Epistemologia, para que os estudantes possam caracterizar e diferenciar rigorosamente o paradigma da Ciência Experimental Moderna (pontos 2.1. a 2.5. do Programa) e da Ciência “Pós-moderna” (pontos 3.1. a 3.3. do Programa), sendo capazes de compreender as metamorfoses do Positivismo e de fazer o diagnóstico da sua crise, tendo sempre a Psicologia como ângulo e objeto de análise.
O segundo objetivo desta UC consiste em reconhecer e refletir criticamente sobre as relações entre “saber”, “poder” e “agir” em Psicologia, à luz da crítica dos discursos e das práticas da Psicologia, segundo a Teoria Crítica, o Pós-Estruturalismo e a Sociologia da Ciência, que constituem a matéria dos pontos 3.4. a 3.6. do Programa.
Por fim, o terceiro objetivo, que comporta a competência de (meta)análise e (meta)avaliação do impacto do pluralismo onto-epistemo-metodológico na Psicologia, apoia-se nos pontos 4.1 e 4.2.

Coerência dos métodos de ensino para com os objetivos

Através das aulas expositivas pretende-se a disseminação dos conhecimentos relativos aos principais autores e teorias sobre a construção dos saberes científicos (fundamentos da Epistemologia e trajetória histórica da emergência, desenvolvimento e crise da Ciência Moderna). Pretende-se ainda que através das tarefas contínuas de reflexão e discussão, leitura, escrita e debate, os alunos desenvolvam uma postura crítica, problematizadora e reflexiva sobre a construção dos saberes científicos, em particular os saberes psicológicos. Através do trabalho de investigação, pretende-se que os estudantes adquiram competências de segunda ordem, ou seja, de meta-análise e de meta-avaliação dos paradigmas – com as suas relações de oposição e de composição – que marcam o processo de formação e transformação permanente dos construtos e das práticas em Psicologia.

competência genérica relevantedesenvolvida?avaliada?
Análise e sínteseSimSim
Aptidão para aplicação na prática dos conhecimentos teóricosSimSim
Capacidade crítica e de avaliaçãoSimSim
Capacidade de auto-critica e de auto-avaliaçãoSimSim
Capacidade de investigaçãoSimSim
Competência em informática e uso de novas tecnologias  
Competência em língua estrangeira  
Comunicação oral e escritaSimSim
Gestão da informação e da aprendizagemSimSim
Preocupação com a qualidadeSimSim
Trabalho em equipaSimSim
Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.