Como chegar
|
Contactos

Artigos da Newsletter Institucional dezembro 2016

Nº63 – dezembro 2016
Destaques

Jantar de Natal Portucalense

No último dia 22 de dezembro, colaboradores e docentes da Universidade Portucalense reuniram-se no tradicional Jantar de Natal, no Átrio do Infante.
 

 

O encontro natalício ficou, mais uma vez, marcado pelo convívio e finalizou com os discursos da Direção e da Reitoria. Ao longo da noite, assistiu-se às atuações musicais de um coro gospel e das tunas académicas e a uma pequena homenagem ao docente, e atual Provedor do Estudante, José Alves Tedim pelos 40 anos de carreira académica.

Armando Jorge de Carvalho, presidente da Direção, sublinhou que “é um tempo de celebração e de preparação para o futuro”, sendo necessário “esperança e vontade de mudança para fazer melhor e enfrentar novos desafios”. Revelou que “apesar das dificuldades, fomos consolidando aquilo a que nos propusemos. Para isso, foi fundamental o compromisso, a perseverança e a reunião de esforços da comunidade UPT, como comportamentos fundamentais”.

Destacou ainda o elevado crescimento do número de alunos registado nos últimos dois anos, que contribuiu para que, atualmente, a Universidade tenha mais de 2.200 estudantes. Finalizou a intervenção, aludindo que a “maior capacidade de um vencedor é nunca desistir” e a necessidade de “confiança, otimismo e atitude para enfrentar e ultrapassar as dificuldades”.

O reitor Alfredo Marques destacou os sucessos de 2016, entre os quais, a estreia da licenciatura em Relações Internacionais, o aumento de cerca de 20 por cento do ingresso, a afirmação dos projetos de investigação e de internacionalização da universidade e a gestão da avaliação de desempenho dos docentes.

Observou a melhoria da produção científica e o desenvolvimento de um ensino com ligação à prática, resultando em diplomados que entram facilmente no mercado de trabalho, como marcos positivos de 2016 e linhas orientadoras para o futuro.
 

300 idosos e crianças festejam o Natal na UPT

No dia 14 de dezembro, o Núcleo de Estudantes de Educação Social (NEES) e o Núcleo de Estudantes de Psicologia (NEP) organizaram a Festa “Natal Solidário” para cerca de 300 idosos e crianças carenciados de quatro instituições de solidariedade do Porto.

O objetivo foi proporcionar uma tarde diferente e animada aos utentes da ‘Lápis e Mochila’, da ‘Associação de Solidariedade Social dos Idosos de Canidelo’, da ‘Amanhã da Criança’ e da Escola de S. Tomé, sempre com o foco na solidariedade que inspira esta quadra natalícia.

A festa contou com diferentes atuações musicais e momentos de magia dirigidos às diferentes faixas etárias, bem como um lanche de convívio com a comunidade UPT, embora o momento alto culminasse com a chegada do Pai Natal e o sorteio de um cabaz de Natal.

“Quisemos, acima de tudo, alegrar a vida destas pessoas e inspirar a comunidade educativa e a sociedade em geral para a necessidade de sermos solidários. Este espírito de entreajuda faz parte da identidade da Universidade”, afirmou Daniela Nascimento, docente e mentora do NEES.

“Globalmente, podemos dizer que o evento foi um sucesso. A organização foi muito trabalhosa, mas foi recompensada com a diversão e a participação do público. Ficamos de coração cheio”, revelou o Núcleo de Estudantes de Educação Social.

Para o Núcleo de Estudantes de Psicologia, "foi com enorme sentido de responsabilidade e de compromisso que se procurou oferecer momentos de felicidade, numa época repleta de tradição”.



60 negócios apresentados no “Pitch Day”

Negócios de base tecnológica, social e cultural, focados em nichos de mercado e em mercados massificados, foram criados por mais de 200 estudantes das várias licenciaturas e apresentados em 15 minutos a um painel de gestores e empresários.

A 3ª edição do “Pitch Day” pretendeu aproximar os alunos ao mundo empresarial, no sentido de desenvolver competências técnicas e comportamentais alinhadas com as necessidades do mercado.

Júlio Faceira, um dos docentes dinamizadores da iniciativa, revela que se assistiu a “uma inegável melhoria na qualidade, consistência e maturidade dos projetos apresentados, assim como na sua orientação para a resolução de problemas atuais e emergentes da sociedade, frequentemente de uma forma criativa e inovadora”.

Ao todo foram avaliados 60 projetos que se caracterizaram pela orientação para o mercado, realismo, rigor e capacidade de crescimento. “Foi interessante confirmar a sua multidisciplinariedade e transversalidade”.

“A adesão, a mobilização, a implicação e o entusiasmo dos nossos alunos reforçam a nossa responsabilidade, enquanto mentores deste excelente grupo de empreendedores. Sentimo-nos muito felizes e orgulhosos, não só pelo resultado obtido, mas, particularmente, pelo modo como os alunos se envolveram neste processo”.

“Os avaliadores, alguns dos quais com uma intensa experiência na promoção do empreendedorismo, ficaram muito surpreendidos com a excelência de algumas das ideias de negócio, com a sustentabilidade de alguns dos modelos e, sobretudo, com o envolvimento dos nossos empreendedores. Pela primeira vez, ouvimos alguns dos avaliadores a afirmar: eu investia".


“Ser voluntário é mais ser do que fazer”

No dia 20 de dezembro, as fundadoras do Projecto Myfriend, Ana Cila e Andreia Cardoso, partilharam a experiência de voluntariado realizada com jovens e crianças no campo de refugiados de Skaramangas, na Grécia.

No campo, encontraram 4000 pessoas “cheias de silêncio, em que a maioria só sabia dizer em inglês ‘My friend’”. Deram aulas de inglês, criaram múltiplas atividades e deixaram no campo muitos amigos e promessas de regresso. “Um iraquiano de 15 anos que é o patriarca da família ou o sírio que estava a um ano de concluir a licenciatura em Medicina”.

Descrevem a experiência como enriquecedora, na medida em que conseguiram proporcionar momentos de felicidade mas, simultaneamente, frustrante, quando sentiram que não conseguiriam mudar a vida dos refugiados.

“Ser voluntário é mais ser do que fazer. É dar atenção, afeto, dignidade e respeito” e, por isso, o projeto continuará na Grécia e, em breve, irá estender-se ao Líbano.

Destaque-se, em novembro, a Universidade Portucalense associou-se ao Projecto Myfriend, tendo organizado diversas atividades, entre elas um Magusto e “1 minuto solidário” que permitiram angariar donativos para a compra de material escolar.


As IPSS contribuem para uma sociedade mais inclusiva e justa

O Padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (IPSS), falou sobre o futuro das IPSS em Portugal, as políticas de solidariedade vigentes e o papel do Estado na assistência aos mais desfavorecidos.

"Em Portugal, sentimos que somos responsáveis pela sorte do outro e fazemos o que está ao nosso alcance para ajudar. Este comportamento, que resulta muito da nossa cultura judaica-cristã, foi determinante para enfrentar e resistir ao pico da crise”, declarou.

Para Lino Maia, o “Pacto para a Cooperação” lançado a 19 de dezembro de 1996 pelo primeiro-ministro da altura, António Guterres (atual Secretário-Geral das Nações Unidas), foi determinante para a criação de uma estrutura de organização e apoio a todas as instituições que respondem às necessidades da comunidade. “Com este pacto, ficou solenizado que o Estado é responsável por financiar e comparticipar estas instituições”.

“Atualmente, Portugal tem 380 misericórdias em regime de IPSS, cuja vocação é atender aos mais necessitados. Esta proximidade das instituições com as pessoas é genuinamente portuguesa; só conheço algo semelhante na Finlândia”.

Considerou que as IPSS representam a excelência da cidadania e que são o principal apoio para as pessoas com deficiência, contribuindo para uma “sociedade mais inclusiva e justa”.

O seminário assinalou o encerramento do ciclo de seminários “Caminhos da Cidadania”, organizado pelo docente Paulo Morais, com o objetivo de lançar o debate em torno das questões da vida em coletivo.


1º Fórum Internacional de Turismo e Património

A água foi o tema eleito por 36 universidades de 14 países que se reuniram no 1º Fórum Internacional de Turismo e Património, na Universidade Portucalense, entre 5 e 7 de dezembro.

A água foi abordada na perspetiva de preservação e salvaguarda como património natural único e em risco, mas também de elemento fundamental para a exploração turística, de bem-estar e de lazer. Nestes contextos de salvaguarda e de uso, especialistas em Turismo, Património, História, Arqueologia, Economia, Arquitetura, entre outros, apresentaram as suas diferentes formas de entender a investigação e as suas metodologias.

O fórum dividiu-se em seis linhas de análise: Património material e imaterial e Paisagem; Turismo e Hospitalidade; Território e impactos económicos e sociais; Questões Ecológicas; Saúde e bem-estar; Sustentabilidade, Comunicação e Educação.

Em destaque estiveram os rios, as zonas costeiras, as montanhas atravessadas por pequenos cursos de água, a museologia, as cidades marcadas por um património material e imaterial de relevo ligado à água e os impactos sociais e económicos decorrentes das alterações climatéricas.

No âmbito do “I Fórum Internacional de Turismo e Património”, a Universidade Portucalense apresentou quatro comunicações relacionadas com a salvaguarda do património nos rios Tâmega e Douro e a utilização da água na Idade do Ferro.


Partilha de experiências empreendedoras

Um conjunto de empresas partilhou experiências de empreendedorismo com os alunos da Universidade Portucalense, no dia 21 de dezembro, no âmbito da 2ª edição do “Meet UP”, organizado pela C&M UPT Junior Consulting.

As intervenções dos CEO da Educoach, SportUnity, i9jovem e Já T’explico tiveram como objetivo aproximar os cerca de 30 estudantes inscritos à realidade das “startups”, através de uma espécie de “networking” conjugado com “speed dating”.

Depois de uma apresentação das empresas, seguiu-se um “speed dating”, onde os estudantes se apresentaram às empresas, e, por fim, um “coffee-break” que permitiu o convívio dos universitários com as “startups”.

O Meet Up – Empreendedores foi uma iniciativa promovida pela C&M UPT Junior Consulting - empresa de consultoria composta e gerida pelos estudantes, que se pretende informal proporcionando a aprendizagem de “soft skills” essenciais com profissionais da área.


Mestrado em Informática reformulado

Depois de 20 anos de sucesso, o Mestrado em Informática é reformulado para acompanhar as tendências da Economia Digital, contemplando tecnologias emergentes como a “Internet das Coisas (IoT)”, “Big Data”, “Computação Móvel” e “Cloud Computing”.

O Mestrado em Informática - Especialização em Engenharia de Software caracteriza-se por ser um curso de especialização que potencia o desenvolvimento de competências para a criação de soluções informáticas inovadoras.

A Diretora do Departamento que tutela o curso, Filomena Castro Lopes, sublinha como fatores distintivos da formação “a importância dada às “soft-skills” (competências comportamentais), destacando-se o empreendedorismo, a comunicação e a liderança, assim como a relação próxima com o mercado de trabalho que permite, através dos vários protocolos com empresas do setor tecnológico, dinamizar seminários e realizar um projeto ou estágio em contexto empresarial, no segundo ano do curso.”

Destaque-se que o estudante pode optar, desde o início do mestrado, por desenvolver competências profissionalizantes ou de investigação na área da informática, o que o levará a realizar um estágio ou projeto em ambiente empresarial, ou uma dissertação, integrando um projeto de investigação.

Esta edição conta com um alargado leque de empresas e instituições públicas que participam e apoiam esta formação, reconhecendo a qualidade do Mestrado em Informática - Especialização em Engenharia de Software.


UPT lança programa de renovação de competências

A Universidade Portucalense lança a 2ª edição do programa “Recycle You”, uma oportunidade para quem pretende atualizar e renovar conhecimentos nas áreas de Gestão, Informática, Psicologia e Conservação e Restauro.

Este programa integra 13 unidades curriculares que podem ser frequentadas no primeiro semestre de 2017, sem necessidade de avaliação. São elas: Estratégia e Desenvolvimento Empresarial; Gestão da Marca e Estratégia de Comunicação; Direito do Trabalho; Marketing Digital; Internet of Things; Simulação Digital em Conservação e Restauro; Alterabilidade de Materiais; Investigação e Intervenção em Património Museológico; Investigação e Intervenção em Património Integrado; Coaching e Mentoring: Fundamentos e Modelos; Coaching e Mentoring: Contextos e Práticas de Ação; Processos de Decisão e Resolução de Problemas; Liderança e Motivação em Grupos e Organizações.

Para mais informações, consulte, por favor, o nosso Gabinete de Ingresso.


A paixão pelo BTT

O colaborador do Bar, António Rodrigues, é praticante de BTT há 20 anos e com mais regularidade há sete. Começou pelo prazer da prática desportiva, pelo bem-estar proporcionado pelo contacto com a natureza e pela descoberta de locais só acessíveis por bicicleta.

Diz-nos que no BTT encontrou o “companheirismo e a aventura” e através dele se tornou “numa pessoa mais saudável, que se reflete também na alimentação diária. Hoje, sou mais conhecedor das minhas fraquezas e potencialidades”.

Acumula experiências memoráveis, entre elas, a "Casa do Rochedo" na serra de Fafe, de uma “beleza invulgar, onde se chega depois de pedalar muito”. Anualmente, participa em 10 provas oficiais e todas as semanas faz percursos organizados por grupos de amigos. O último levou-o a Ponte de Lima, pelo caminho de Santiago. Recorda as dificuldades da “Rota das Águas quentes” em Caldas de Aregos, Resende. “Durante a prova, chovia torrencialmente e o nevoeiro era cerrado. Estávamos dentro da serra, mas sem orientação. Dos 200 ciclistas participantes só 90 chegaram à meta, onde me incluí, cumprindo assim a missão”.

No próximo ano, espera pedalar até Santiago Compostela pelo caminho de Santiago, o que implicará fazer o percurso quase sempre em serra. Antes disso, “gostava de organizar uma pequena prova de BTT aberta exclusivamente à comunidade UPT”. Fica o desafio!


Estudantes solidárias com a ‘Norte Vida’

Dias antes do Natal, Andreia Cunha e Lara Ferreira, estudantes da licenciatura em Educação Social, entregaram um lanche solidário a todos os utentes da Associação ‘Norte Vida’.

Andreia Cunha diz-nos que “o objetivo foi proporcionar um Natal feliz a quem vive os dias com a solidão e a tristeza de viver na rua, sem família, casa, higiene e alimentação”.

“Se, para nós, esta época é de partilha de momentos de alegria, porque não levá-la a quem não a vive? Foi nesta perspetiva que surgiu a ideia. Já a escolha da ‘Norte Vida’ se deve ao facto de ser a instituição com quem estamos a partilhar e a consolidar os conhecimentos práticos na unidade curricular “Estágio 1”.

O lanche individual incluiu rissóis, panados, bolinhos de bacalhau, aletria, pão de leite, folhado, garrafa de água e ovo cozido.





COMUNICA UPT FICHA TÉCNICA

Periodicidade: Mensal
Coordenação Editorial: Ana Aires Duro
Email: comunicaupt@upt.pt

 
Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.