Como chegar
|
Contactos

Artigos da Newsletter Institucional julho 2016

Nº59 – julho 2016
Destaques

Costa Andrade preside ao Tribunal Constitucional

Manuel Costa Andrade, Professor Catedrático de Direito Penal e docente da Universidade Portucalense há 22 anos, é o novo Presidente do Tribunal Constitucional (TC). Costa Andrade foi um dos juristas que participou na elaboração da Constituição da República Portuguesa e nas suas várias revisões.

“O Professor Doutor Costa Andrade, pilar cimeiro na área do Direito Penal e Constitucional, quer como docente, quer como investigador, ao longo destes 22 anos de colaboração com a Universidade Portucalense, que muito nos honrou, conferiu um contributo prestimoso e inestimável para a formação de todos os nossos alunos. A eleição para Presidente do Tribunal Constitucional é o corolário de uma longa e brilhante carreira que também muito prestigia a Universidade Portucalense”, declara Maria Manuela Magalhães, diretora do Departamento de Direito.

A responsável destaca ainda “a humildade e espírito de missão do Professor Costa Andrade que, apesar do esforço exigido pela nova função, continuará com a sua atividade docente”.

Manuel Costa Andrade foi eleito deputado à Assembleia da República, entre 1976 e 1995, pelas listas do PSD, e é também professor jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.


Jovens devem impulsionar a Economia Circular

Mais de 100 participantes oriundos de Portugal, Espanha, Alemanha, Holanda, Bélgica, Finlândia e Estónia, participaram na conferência internacional “Economia Circular e Educação”, promovida pelo consórcio “ThreeC” do projeto ERASMUS+, que aconteceu na Portucalense, no dia 6 de junho.

A vice-reitora Paula Morais abriu a sessão plenária que contou com as intervenções de Rafael Campos Pereira, vice-presidente executivo da AIMMAP (Associação dos Industriais Metalúrgicos e Metalomecânicos e Afins de Portugal), Sara Heinrich, da Ellen MacArthur Foundation, e de Martin de Wolf, da Fontys University of Applied Sciences.

Rafael Campos Pereira defendeu que, no processo de transição de um modelo de economia linear para um novo paradigma de economia circular, é indispensável salvaguardar as necessidades e os interesses das Pequenas e Médias Empresas e de indústrias de países como Portugal, que podem ser prejudicadas em relação a congéneres de maior dimensão comercial.

Sara Heinrich alertou para a necessidade de os professores e educadores terem uma ação catalisadora, no sentido de acelerar a transição para a economia circular. “Precisamos de encontrar estratégias didáticas e efetivas para preparar os jovens para um papel ativo na defesa da economia circular”, frisou.

Já Martin Wolf apresentou o caso de duas escolas secundárias, na Alemanha, em que os alunos acompanharam de perto o processo de produção circular de duas empresas, permitindo-lhes ter consciência que o mundo pode ser mais sustentável a partir do comportamento individual de cada um.

Sublinhe-se que a economia circular procura uma reutilização sustentável e rentável dos produtos, promovendo a reutilização, a recuperação e a reciclagem, no sentido em que todos os materiais sejam reaproveitáveis e originem um novo produto.


“É urgente educar para valores”

A Universidade Portucalense organizou o IV Congresso Internacional de Direitos Humanos, no âmbito dos trabalhos desenvolvidos pelo grupo de investigação “Dimensions of Human Rights”, nos dias 4 e 5 de julho, que contou com mais de uma centena de investigadores portugueses, espanhóis e brasileiros.

A situação dos movimentos migratórios internacionais, a igualdade e violência de género e a proteção das crianças e jovens, foram temas amplamente debatidos em painéis com abordagens multidisciplinares.

De uma forma unânime, considerou-se que os Direitos Humanos são: “a linguagem comum da Humanidade” e que “há urgência e necessidade de uma educação para valores, quando se verifica que os comportamentos não se impõem por decreto, ou seja, a lei não é suficiente para alterar a essência do agir”.

A descolonização, o fim do ‘Apartheid’, a eliminação de todas as violações dos Direitos Humanos, o combate a todas as formas de discriminação racial e de xenofobia e a ratificação universal dos instrumentos jurídicos de Direitos Humanos, foram alguns dos sucessos e desafios identificados pelos oradores convidados.


“Acolher refugiados é um dever humanitário”

José Pedro Teixeira Fernandes, docente e investigador nas áreas de Relações Internacionais, Estudos Europeus e Direito, abordou a crise dos refugiados na União Europeia, resultante dos conflitos do Médio Oriente, África e Balcãs, no âmbito do ciclo de seminários “Caminhos da Cidadania”.

Começou por indicar que se trata de um “fluxo de populações que levanta inúmeros problemas éticos, humanitários, jurídicos e políticos com os quais as sociedades europeias vão ter que lidar. Em causa estão as obrigações que decorrem das normas de Direito Internacional, e da própria União Europeia, assim como a capacidade de integração de novas populações e as suas consequências económicas e políticas”.

Defendeu a “harmonização de uma política comum”, de modo a evitar o surgimento de posições contraditórias em relação à migração pelos vários países europeus. “Esta crise dividiu a Europa Ocidental e a Europa de Leste no que concerne a uma política de acolhimento e de asilo”.

“Não se pode selecionar os refugiados. A política tem que ser ‘cega’ – não pode escolher país de origem, idade ou sexo – para que exista uma atitude genuinamente humanitária”, sublinhou.

Receia que a discussão em torno da migração se mantenha na esfera económica e social, com “argumentos demagógicos e associados à competição - os refugiados roubam postos de trabalho e benefícios sociais” -, e assim se fomente o crescimento de movimentos de extrema-direita que são uma ameaça à democracia.


Mestrado em Informática reformulado

O atual papel das tecnologias na sociedade, aliado ao aparecimento de novas realidades, conduziu à renovação do Mestrado de Informática, com a introdução de novas unidades curriculares e o ajuste de alguns conteúdos nas duas especializações do curso - Gestão de Sistemas de Informação (SI) e Engenharia de Software (ES).

O coordenador do Mestrado, Fernando Moreira, explica que “o objetivo foi ir ao encontro das novas tendências na área tecnológica e ajustar este ciclo de estudos à oferta das licenciaturas de Informática e Gestão e Sistemas de Informação, onde já começamos a oferecer unidades curriculares que só existiam no mestrado.”

Destaque também para a introdução, em ambas as especialidades, da unidade curricular “Interação Homem Máquina”, cada vez mais relevante devido à integração e utilização generalizada das tecnologias em diferentes domínios da atividade humana, e para a alteração das unidades curriculares “Gestão e Avaliação de Projetos de SI/TI” e “Metodologias de Investigação” que têm agora um carácter opcional.


As realidades aumentada e virtual na Educação

No dia 21 de junho realizou-se a quinta e última sessão do Ciclo de Workshops “Novas Tendências da Educação 2016”, organizado pela Universidade Portucalense em parceria com o ISCAP.

Na sessão foram realizadas duas apresentações relacionadas com Realidade Virtual e a Realidade Aumentada, em contexto de ensino, por Paulo Gomes e Fernando Cassola, docentes da UPT e do INESC TEC / UTAD, respetivamente.

Ambas as comunicações tiveram como foco principal a ilustração dos benefícios das novas tecnologias no ensino. Na Realidade Virtual, foram elencados alguns benefícios, nomeadamente o estímulo de experiências ativas e imersivas, a ajuda na compreensão de teorias e conceitos complexos e a adequação a todos os tipos de estilos de aprendizagem. Na Realidade Aumentada aplicada à Educação, concluiu-se que contribui para o aumento da motivação, atenção, concentração e satisfação.


Novo Short-Master em Turismo Rural

A UPT lança o Short Master em “Turismo no Espaço Rural e Desenvolvimento Regional”, quando o mercado global, cada vez mais informado e exigente, procura no turismo rural um produto diferenciado de excelente qualidade, atraindo novos tipos de turistas com exigências e gostos diferenciados.

O desenvolvimento que o turismo no Espaço Rural assume é cada vez maior no âmbito da Economia, do Desenvolvimento Regional e do Turismo em geral. O Turismo ligado à natureza e ao ambiente, que permita vivenciar os costumes, as tradições e experimentar a gastronomia tradicional, tornou-se o principal tema do desenvolvimento turístico na maioria dos territórios rurais, em Portugal. Neste contexto, o território rural terá de promover a criação de produtos turísticos e atividades que favoreçam a descoberta e a interpretação de um vasto património cultural e arquitetónico.

As candidaturas à primeira edição do curso já estão abertas e as aulas terão início em outubro próximo.


INPP em congresso internacional

O INPP (Instituto de Neuropsicologia e Neurociências Cognitiva e Comportamental Portucalense) participou no “4th International Congress of Educational Sciences and Development”, em Santiago de Compostela, Espanha, através das investigadoras Cristina Costa Lobo e Ana Micaela Medeiros.

Cristina Costa Lobo coordenou o simpósio “Ação e criatividade em crianças e jovens do ensino básico”, enquanto Ana Micaela Medeiros apresentou a comunicação intitulada “A ambiguidade e a falta de unanimidade em torno da sobredotação: perspetiva histórica”, desenvolvida em coautoria com Cristina Costa Lobo e Filomena Ermida da Ponte.

Cristina Costa Lobo foi ainda coautora da comunicação “Desempenho cognitivo e caraterização das crianças e adolescentes dos programas de enriquecimento da associação nacional para o estudo e intervenção na sobredotação (ANEIS)”, em coautoria com Renata Rocha, Ana Isabel Almeida, Catarina Figueiredo, Leonor Moreira, Alberto Rocha, Daniela Costa Coimbra e Leandro Almeida.


Empresa júnior organiza “Meet UP”

A empresa júnior C&M UPT Junior Consulting organizou o “Meet UP Empreendedores” no dia 20 de junho, um evento "formalmente informal" que pretendeu facilitar o contacto direto dos estudantes com empresas de referência, estimular o "networking" e desenvolver "soft skills" essenciais.

“O ‘feedback’ dos alunos e das empresas foi muito positivo. Ambos mostraram interesse em participar em futuras edições, o que nos motiva, ainda mais, a replicar o evento nos próximos anos, com o objetivo de aumentar o número de participantes”, revela a C&M UPT.





COMUNICA UPT FICHA TÉCNICA

Periodicidade: Mensal
Coordenação Editorial: Ana Aires Duro
Email: comunicaupt@upt.pt

Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.