Como chegar
|
Contactos

Artigos da Newsletter Institucional julho 2015

Nº48 – julho 2015
Destaques

Candidaturas abertas para o futuro

Julho é o mês em que muitos estudantes visitam a Universidade Portucalense para conhecer melhor a oferta formativa de licenciaturas, sendo o Gabinete de Ingresso o local onde se esclarecem dúvidas para uma tomada de decisão.

Diariamente, Cristina Miranda e Margaret Amorim acolhem potenciais alunos e famílias que procuram mais informação sobre a universidade e os cursos. “É curioso porque alguns desses pais foram nossos alunos e agora regressam à universidade com os filhos”, revelam.

As referências familiares e de amigos continuam a ser a maior influência nas candidaturas à universidade e os cursos de Gestão e de Direito mantêm-se no topo das preferências de formação dos mais jovens.

Mais de 17 mil alunos confiaram na Universidade Portucalense para o seu percurso académico e profissional. Em 29 anos de vida, a universidade diplomou 14 mil licenciados, mais de 1000 mestres e de 100 doutores em diversas áreas de conhecimento - Direito, Solicitadoria, Economia, Gestão, Informática, Psicologia, Educação Social, Património, Turismo e Hospitalidade.

A taxa de empregabilidade superior à média nacional reflete: a qualidade e os métodos de ensino; a integração dos estudantes, ao longo do curso, em ambiente de trabalho em empresas e organizações; a promoção do autoemprego, através da inclusão em todos os cursos da disciplina “Empreendedorismo”; e a atribuição anual de um prémio para projetos inovadores de criação de microempresas.


Prémio de 1.500€ para mestres em Direito

Nasceu o “Prémio Jurídico Portucalense/Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados”, no valor de 1.500 euros, direcionado a alunos finalistas do Mestrado em Direito.

A assinatura do protocolo de cooperação entre a Universidade Portucalense e a sociedade de advogados Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados decorreu no dia 8 de julho e tem como objetivo a cooperação mútua e a promoção da investigação científica na área do Direito.

Neste contexto será atribuído o “Prémio Jurídico Portucalense/Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados”, no valor de 1.500 euros, a um aluno do Departamento de Direito que tenha concluído o 2º Ciclo de Estudos em Direito e tenha prestado provas de Mestrado em Direito, com classificação mínima de 16 valores. O estudante terá ainda a possibilidade de realizar o estágio na sociedade de advogados.


UPT estreia mestrado em Ciência Jurídica Forense

O mestrado em “Ciência Jurídica Forense” é um curso inovador que permite aos candidatos com formações variadas adquirir competências ao nível teórico e prático para uma especialização na área da Ciência Forense.

O mestrado propõe uma visão abrangente e sistemática, através de diferentes unidades curriculares no primeiro ano, entre elas: Processo Civil; Processual Penal e Contraordenacional; Processo Laboral; Metodologia da Investigação Jurídica; Dano Corporal; Análise e Crítica Jurisprudencial; Processo Administrativo e Tributário; Processo de Insolvência e Recuperação; Teorias Contemporâneas da Justiça e Direito dos Contratos.

No segundo ano, o mestrado prevê a realização de uma dissertação que pode assumir quatros modalidades: Estado da arte relativa a uma questão jurídica, com recurso à doutrina portuguesa e estrangeira, utilizando uma metodologia adaptada à análise comparativa dos Direitos; Análise crítica de jurisprudência; Estudo de caso de acordo com os conhecimentos adquiridos e recurso à jurisprudência existente; e Trabalho original sobre a resolução de um problema, procurando contribuir de forma original para o conhecimento.

A formação está vocacionada para a prática forense, contemplando a possibilidade de desenvolver um projeto concreto de aplicação do Direito ou de opção pelas diferentes modalidades de dissertação previstas.


Turismo e Hospitalidade em novo curso

Cinco anos depois de ter iniciado a fileira de ensino e investigação no âmbito do Turismo, a Universidade Portucalense lança o mestrado em “Turismo e Hospitalidade”, orientado para o desenvolvimento de empresas e destinos turísticos, competitividade e colaboração entre atores turísticos, inovação ao nível da oferta turística, gestão de eventos, património cultural e satisfação do consumidor.

Isabel Vaz Freitas, diretora do Departamento de Turismo, Património e Cultura, explica que a nova formação “posiciona-se numa dimensão central da atividade dos destinos e das empresas turísticas - a hospitalidade, entendida simultaneamente como atividade económica e fenómeno cultural.”

“Pretendemos desenvolver um conjunto de competências profissionais e de investigação que permitam implementar ações diferenciadoras e inovadoras, contribuindo ativamente para o aumento da qualidade e da profissionalização do setor do Turismo”.

Os destinatários da formação são profissionais e licenciados em áreas de Turismo, Gestão, Gestão Hoteleira, Economia, Ciências Sociais, Geografia e áreas relacionadas com o Património.

O novo mestrado destaca-se pela estreita colaboração com diversas organizações do setor do Turismo, promovendo a integração dos estudantes através de estágios e de projetos de investigação aplicada.


“É preciso pensar o futuro da cidade”

Carlos Melo Brito, Pró-Reitor da Universidade do Porto e Professor Associado da Faculdade de Economia do Porto, defendeu que “o principal fator responsável pelo sucesso do turismo no Porto se deve à localização no aeroporto Sá Carneiro de uma base da transportadora área Ryanair.

Entende que os cruzeiros são importantes para o turismo e que neste momento “o Porto não é concorrente de Lisboa - Porto e Lisboa são complementares -, o principal concorrente do Porto é Vigo".

Defende que é necessário pensar o futuro da cidade: "Todos estão deslumbrados com este sucesso e ninguém está a pensar numa segunda fase, no futuro".

Para Carlos Melo de Brito, “uma cidade deve assegurar serviços e infraestruturas de qualidade, cuidar da arquitetura e dos espaços verdes, ter importância e estatuto internacional, ser uma fonte de oportunidades, apostar na forma como os habitantes da cidade recebem os turistas e também os que vão para lá estudar ou trabalhar”.

O seminário “City Marketing” decorreu no âmbito do Ciclo de Seminários “Gestão de Cidades”, no dia 8 de julho. “A inclusão social como um desafio das políticas de gestão de cidades” é tema do próximo seminário com António Tavares, Provedor da Santa Casa de Misericórdia do Porto, no dia 2 de setembro, às 18h30.

Este ciclo de seminários dirige-se a autarcas, gestores públicos, legisladores municipais, planificadores urbanos, empresários, munícipes e todos os interessados nos temas do domínio das cidades. A participação é gratuita, mediante a inscrição prévia através do endereço de degi_seminarios@upt.pt.


Mestrado em Direito é uma opção crescente

O Mestrado em Direito é um curso de sucesso da universidade. A relação estreita com Sociedades de Advogados e profissionais de referência e um conjunto de unidades curriculares opcionais que permitem ajustar a especialização, são alguns dos seus fatores diferenciadores, segundo a coordenadora do curso Mónica Martinez de Campos.

Comunica UPT: O Mestrado em Direito é um curso de referência da universidade. No seu entender, quais são os principais fatores críticos de sucesso?

Mónica Martinez de Campos: São vários os fatores de sucesso. Começaria por destacar o corpo docente que assegura as aulas e a orientação das dissertações de mestrado. São todos professores doutorados com uma larga experiência académica e profissional, nas áreas de especialização do mestrado, e empenham-se em estimular a criação de hábitos de pesquisa e de análise crítica da legislação, da doutrina e da jurisprudência, incentivando a aplicação dos conhecimentos a situações práticas e dotando os estudantes dos instrumentos fundamentais à atividade de investigação e inovação.

É claro que isto só é possível porque as turmas são constituídas por um número reduzido de estudantes, o que permite uma grande proximidade entre o docente e o discente, contribuindo para um debate contínuo e aprofundado dos temas lecionados. O sistema de avaliação do 1º ano do mestrado também tem sido apontado pelos estudantes como um fator diferenciador, tal como o plano de estudos. No plano de estudos do mestrado, em todas as especializações, existem unidades curriculares opcionais que permitem aos estudantes selecionar algumas disciplinas de acordo com o seu projeto pessoal de formação. Por exemplo, este ano letivo, houve alguns alunos inscritos na especialização em Ciências Jurídico-Empresariais que escolheram unidades curriculares da especialização em Ciências Jurídico-Processuais por considerarem que dessa forma se preparavam melhor para os exames da Ordem dos Advogados. Ainda poderia acrescentar mais fatores de sucesso, como o Instituto Jurídico Portucalense, onde os estudantes de mestrado estão integrados; a Revista Jurídica Portucalense onde, durante a frequência do mestrado como depois da atribuição do grau de mestre, os estudantes têm publicado alguns dos seus trabalhos, depois de avaliados e aprovados por membros do Comité de Arbitragem Científica.

Um dos traços distintivos da formação é a estreita colaboração com o mercado de trabalho. Quais têm sido as linhas orientadoras no desenvolvimento desta estratégia? Temos desenvolvido parcerias com sociedades de advogados e contamos hoje com a colaboração de várias sociedades de advogados e outros profissionais de reconhecido mérito, privilegiando desta forma o diálogo teórico-prático e fazendo a ponte entre a universidade e o mercado de trabalho. O que tem sido uma mais-valia para os estudantes. Este ano letivo foram organizados seminários sobre vários temas de interesse para os alunos, nomeadamente: "O impacto dos instrumentos de regulação coletiva de trabalho”, ministrado por Nuno Cerejeira Namora, da Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados; "Saúde e Segurança no Trabalho - enquadramento geral e relação com Direito Coletivo do Trabalho”, ministrado por Ana Ribeiro Costa, da Gama Lobo Xavier, Luis Teixeira e Melo e Associados; "Práticas contratuais", ministrado por Pedro Ribeiro Mesquita, da A F. Castelo Branco & Associados ("FCB&A"); "Direitos de Autor e Contratação Eletrónica”, ministrado por Eva Dias Costa, Gandarela, Ferraz, Costa e Associados ("GFC&A"); "Regime Jurídico das Contra Ordenações”, ministrado por Miguel Marques Oliveira, da Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados. E outros houve, a convite dos docentes do Mestrado em Direito: "Os direitos e garantias dos Consumidores nos Serviços Públicos Essenciais" e "Uma perspetiva sobre o RGIT - Regime Geral das Infrações Tributárias", ministrados, respetivamente, por Rosário Anjos, Juiz Árbitro do CAAD, e Suzete Mesquita, Chefe de Divisão da área das contraordenações e crimes fiscais, da Direção de Finanças do Porto; "Principais linhas orientadoras em IRC" ministrado por Maria Helena Farinha Pequito, da Autoridade Tributária e Aduaneira e "Breves considerações sobre o IVA" ministrado por Aida Cristina Vieira Cardoso, da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Qual o “feedback” que tem recebido do curso por parte de alunos e profissionais? Tem sido muito positivo, de tal modo que este ano foi criado entre o Departamento de Direito e a Sociedade de Advogados Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados um prémio que visa distinguir, anualmente, a melhor dissertação de Mestrado em Direito.

Esta edição apresentará algumas novidades? Neste momento, o que posso adiantar é que serão atribuídas duas bolsas de investigação a alunos inscritos na parte curricular, desde que apresentem um currículo científico acima da média, e vai ser implementado o referido prémio do mestrado em direito, o "Prémio Jurídico Portucalense/Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados".

A seu ver, esta formação é essencial para…? Para aprofundar competências adquiridas anteriormente, atualizar conhecimentos em áreas onde se verificam constantemente importantes alterações e permitir ao estudante o enriquecimento curricular necessário ao ingresso em profissões forenses e académicas. É por estas razões que estão inscritos no mestrado recém-licenciados, mas também juízes, advogados, administradores de empresas, procuradores, entre outros profissionais.


CCR restaura Igreja de Nossa Senhora da Vitória

A Clínica de Conservação e Restauro está a desenvolver uma obra de limpeza de talha na igreja de Nossa Senhora da Vitória, no Porto. Trata-se do altar-mor, do período barroco, datado do séc. XVIII, da autoria de Francisco Pereira Campanhã e de Damião Pereira de Azevedo. O pai construiu o altar em 1755 e o filho alterou-o em 1780.

Embora a igreja tenha sofrido um incêndio em 1874, não existe consenso sobre se o altar-mor necessitou de renovação ou restauro. Não há vestígios que demonstrem recuperação por essa data.

“O altar-mor encontra-se em bom estado, sendo necessário proceder apenas a uma limpeza mecânica e química da talha dourada. Numa primeira fase foram eliminadas poeiras, resíduos de velas, pingos de cera e folhas. A limpeza química a que se procede neste momento terá como objetivo a remoção de sujidades acumuladas e as marcas deixadas pelos pingos de cera. Ao longo de todo este processo ter-se-á cuidado com a eventual presença de destacamentos da preparação do dourado e da folha de ouro, efetuando-se, sempre que necessário, consolidações pontuais para que se consiga proceder à limpeza em segurança”, explica a docente Joana Teixeira.


Alexandre Alves vence Prémio de Fotografia

Alexandre Alves venceu o concurso de Fotografia "O Património da minha Terra". Tem 18 anos e é estudante da escola Artística Soares dos Reis, do curso de Comunicação Audiovisual, especialização de fotografia.

Escolheu o cenário da ribeira do Porto pela “harmonia, nostalgia e a confusão das casas dar um bom cenário”. A candidatura ao prémio organizado pelo Departamento de Turismo, Património e Cultura foi motivada “pela experiência que iria adquirir e o interesse do tema.”

Revela que a fotografia “é das coisas mais importantes da vida, é algo que me identifica. Esta paixão começou verdadeiramente quando entrei no 10º ano, aí é que se afirmou, mas sempre gostei de fotografia. Conseguir um emprego na área da fotografia e ser valorizado é o objetivo”.



UPT acolhe programa “Estágios Emprego”

No âmbito de uma parceria entre a Universidade Portucalense e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Joana Fernandes, Noémia Vilela e Valentina Ottati estão desenvolver estágios na universidade, ao abrigo do programa “Estágios Emprego”.

Joana Fernandes, licenciada em Conservação e Restauro, está a colaborar no projeto de limpeza e conservação do altar da Igreja de Nossa Senhora da Vitória, no Porto, coordenado pela Clínica de Conservação e Restauro.

Já Noémia Vilela, licenciada em Direito, está a apoiar a atividade do Instituto Jurídico Portucalense, enquanto Valentina Otatti, licenciada em Turismo, está auxiliar na recepção das várias visitas de estudo de estudantes do ensino secundário que a universidade acolhe.

O programa “Estágio Emprego” compreende experiências de formação prática em contexto de trabalho, durante nove meses, promovendo a inserção profissional de jovens no mercado de trabalho e a reconversão profissional de desempregados.



COMUNICA UPT FICHA TÉCNICA

Periodicidade: Mensal
Coordenação Editorial: Ana Aires Duro
Email: comunicaupt@upt.pt

Este website usa cookies para funcionar melhor e medir a performance (Diretiva da União Europeia 2009/136/EC)
Por favor dispense alguns minutos para responder a umas perguntas rápidas sobre o nosso website.